Será um bom momento para Transferir o Crédito Habitação?

SIM! Este é o melhor momento para rever as condições do seu crédito habitação.

A transferência de crédito habitação traduz-se em poupança, e é o que neste momento todos os clientes procuram. São muitos os clientes que já receberam contacto do seu banco (maioritariamente por email)

Em 2022 entrou em vigor Decreto-Lei n.º 80-A/2022, de 25 de novembro, que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente.

Renegociar o crédito à habitação tem sido a solução procurada por muitas famílias para fazer face à subida vertiginosa das prestações, provocada pelos sucessivos aumentos das taxas de juro. Ficam excluídos os créditos à habitação com taxa fixa e aqueles que se destinam a uma segunda habitação ou para obras, com garantia hipotecária.

Os titulares de crédito à habitação podem tomar a iniciativa de informar o banco sobre o risco de incumprimento provocado pela subida da Euribor. Assim que o façam, as instituições bancárias devem apresentar as soluções possíveis para reduzir a taxa de esforço dos titulares do empréstimo.

Cabe a cada banco apurar e propor a solução mais indicada para cada caso particular. As propostas mais comuns são:
alargamento do prazo do empréstimo;
– redução do spread;
atribuição de um período de carência de capital, em que apenas são cobrados juros;
diferimento de capital, definindo uma percentagem da dívida para o final do contrato.

O banco não pode recusar-se a apresentar uma proposta, desde que o cliente cumpra os requisitos de acesso à medida excecional.

    Que tipo de informação sobre créditos cujas condições contratuais foram modificadas (renegociações) é facultada às entidades participantes na Central de Responsabilidades de Crédito (CRC) do Banco de Portugal?

    A informação disponibilizada pela CRC às entidades participantes desagrega estes créditos entre:

    a) Renegociação por incumprimento: as condições contratuais da operação de crédito foram alteradas em resultado do incumprimento com o plano de pagamentos acordado com a entidade devedora;

    b) Renegociação regular: as condições contratuais da operação de crédito foram alteradas por outro motivo que não tenha sido o incumprimento com o plano de pagamentos acordado com a entidade devedora. 

    Desta forma, no primeiro tipo enquadram-se unicamente as renegociações que ocorrem em resultado do incumprimento com o plano de pagamentos, enquanto no segundo tipo se inserem todos os outros tipos de renegociação associadas, ou não, a situações de dificuldades financeiras do devedor.  

    Nota: O conceito de renegociado para fins estatísticos na CRC é diferente do conceito de reestruturado para fins prudenciais.

    O banco pode recusar uma nova operação se existir algum crédito a decorrer classificado como “renegociação regular”?

    Em boa verdade não está nada estabelecido sobre este tema. Contudo e mediante casos semelhantes, já tivemos as duas situações: o banco analisa em função do perfil de risco atual do cliente ou o banco por força desse registo faz uma análise mais minuciosa e com menos probabilidades de aprovação. Cada caso é um caso e todos eles merecem a devida análise.

    O que aconselhamos?

    Falem sempre com especialistas na matéria. Analisem todas as possíveis soluções. Consultem um intermediário de crédito.

    Reforçámos as nossas equipas para conseguir dar resposta a todos os pedidos que nos chegam diariamente.

    𝐀𝐬 𝐒𝐨𝐥𝐮çõ𝐞𝐬 𝐩𝐚𝐬𝐬𝐚𝐦 𝐩𝐨𝐫 𝐍ó𝐬, 𝐚 𝐝𝐞𝐜𝐢𝐬ã𝐨 𝐩𝐚𝐬𝐬𝐚 𝐩𝐨𝐫 𝐒𝐢!

    Os prós e contras de Comprar ou Arrendar casa?

    Para quem ambiciona ter o seu lar, o seu espaço, em algum momento acaba por ter esta dúvida. Valerá a pena investir numa casa própria ou o arrendamento é mais vantajoso?

    Encontrar a nossa casa de sonho, com a dimensão adequada e no local pretendido, é uma tarefa desafiante. Surge assim a dúvida entre optar pelo arrendamento ou pela aquisição de uma habitação.

    A realidade em Portugal demonstra bem a preferência da larga maioria da pessoas, considerando que, 70% mora em habitação própria. Então, como ter a resposta certa para este dilema de arrendar ou comprar casa: pesando os prós e os contras de cada uma das opções. Damos-lhe uma ajuda, apresentando alguns dos pontos essenciais que deve ter em conta, na hora de decidir:

    As VANTAGENS de ARRENDAR casa

    • O valor inicial a investir é menor, visto que o mais habitual é o pagamento de um ou dois meses de renda adiantados.
    • Em cada ano, no momento de declarar o IRS do ano anterior, pode obter benefícios fiscais, através da dedução de algum do valor das rendas pagas. Este montante pode ir até aos 15% dos gastos totais, com um teto máximo de 502 euros (não dispensa a consulta na AT podendo ocorrer alterações)
    • Pode ser a solução ideal para quem necessite de alguma mobilidade geográfica. Profissionais deslocalizados, estudantes ou casais em início de vida em comum obtêm vantagens neste tipo de solução mais simplificada.
    • O arrendamento de uma casa é uma opção mais flexível a longo prazo, em relação à compra de casa em que se recorre, na maioria das vezes, ao crédito habitação. Se, no futuro, fruto de algum infortúnio, não tiver capacidade financeira de pagar a renda mensal acordada, poderá mudar-se para uma habitação mais económica. O mesmo não acontece com o empréstimo bancário acordado.
    • Regra geral, o pagamento de condomínio e de outras despesas da habitação são liquidadas pelo proprietário da habitação.
    • manutenção da habitação, fruto do usufruto diário do espaço, será a cargo do proprietário

    As DESVANTAGENS de ARRENDAR casa

    • Não está a realizar nenhum investimento financeiro futuro.
    • Sentirá sempre que a casa não é sua, na medida em que qualquer alteração que idealize  para o imóvel tem que ser sempre discutida com o proprietário.  

    As VANTAGENS de COMPRAR casa

    • Está a investir num património que será seu e dos seus descendentes, pelo que pode ser um bom investimento para rentabilizar poupanças.
    • Considerando o grande aumento do valor das rendas nos últimos tempos e o estado atual dos valores da EURIBOR e das taxas de juro, o valor de prestação mensal poderá ser vantajosa, para a mesma tipologia de habitação e sendo que é um imóvel que é seu.
    • Bom investimento financeiro a longo prazo.

    As DESVANTAGENS de COMPRAR casa

    • Considerando que as instituições bancárias apenas realizam crédito habitação de, no máximo, 90% do valor da habitação, necessita de ter algumas poupanças de lado, para adquirir a casa nova. Contudo existem também instituições bancárias que viabilizam o financiamento até 100%, sob produto Leasing Imobiliário Habitação Particulares.
    • Para além do valor de aquisição da imóvel terá outras despesas acessórias, tais como o IMT (Imposto Municipal Sobre as Transações Onerosas de Imóveis) e as comissões associadas ao contrato de crédito habitação e cobradas pela instituição a cargo do financiamento (se aplicável)..
    • Anualmente, terá que suportar os custos do IMI. Se for um apartamento, acrescem os valores de condomínio.
    • Qualquer obra ou avaria será da sua responsabilidade, ainda assim é sempre um investimento num bem que é seu.

    Em resumo: Não há uma resposta única. Tudo dependerá dos seus objetivos e estratégias de investimento do seu dinheiro. Uma coisa é certa: se avançar com a compra de casa própria, recorrendo ao crédito habitação, acautelar que opta pelas condições mais ajustadas é essencial.
    Não dispense o aconselhamento de um Especialista. Fale connosco e será acompanhado de forma personalizada em todas as fases do processo.

    IRS 2023

    Os Prazos para o IRS 2023 (referente aos rendimentos obtidos em 2022) já foram divulgados pela AT (Autoridade Tributária e Aduaneira) e há datas relevantes já em janeiro. Os prazos são semelhantes aos do ano anterior contudo há algumas novidades.

    Até 31 de Janeiro – Comunicar rendas recebidas em 2022

    Comunicar através do Portal das Finanças todas as rendas recebidas dos inquilinos, pelo pagamento relativo a:
    • Arrendamento;
    • Subarrendamento;
    • Cedência de uso do prédio ou de parte dele, que não arrendamento;
    • Aluguer de maquinismos e mobiliários instalados no imóvel locado.

    Até 15 de fevereiro de 2023 – Comunicar o agregado familiar

    ” Comunique, todos os anos, se tiver um dependente em guarda conjunta e com Acordo de Regulação das Responsabilidades Parentais que determine:
    • O regime de residência alternada; e
    • A percentagem de partilha das despesas por cada um dos responsáveis, quando esta não seja igualitária.
    Se esta comunicação não for coerente com a comunicação feita pelo outro agregado familiar, considera-se que o dependente não tem residência alternada e a percentagem de partilha das despesas dos responsáveis parentais é dividida em partes iguais.

    Comunique, todos os anos, os afilhados civis que até à maioridade estiveram sujeitos à tutela de qualquer dos sujeitos a quem incumbe a direção do agregado familiar, que não tenham mais de 25 anos nem recebam anualmente rendimentos superiores a 705€ (valor da retribuição mínima mensal garantida – RMMG, em 2022).”

    Até 15 de fevereiro – Comunicar encargos com rendas no interior do país

    Se mudou de residência permanente para o interior do país e pretende beneficiar do respetivo apoio, este é o prazo para reportar os encargos com rendas em resultado dessa transferência.

    Até 15 de fevereiro – Comunicar a duração do contrato de arrendamento ou a cessação do contrato

    Comunique até esta data a duração do contrato de arrendamento de longa duração (ALD) e usufrua de benefício fiscal do IRS. Note que este passo pode originar uma menor taxa autónoma de IRS sobre os rendimentos prediais. Reduzindo o imposto a pagar.

    Até 25 de fevereiro – Confirme as faturas

    Vá ao e-fatura confirme as suas faturas classificando-as ou corrigindo-as até esta data. Esta prática poderá aumentar os benefícios fiscais em sede de IRS.

    Até 31 de março – Indique a entidade a quem consignar 0,5% do IRS

    Quem conta usar a faculdade entregar a declaração do IRS através do IRS Automático, deve ter em conta que tem até 31 de março para ir ao Portal das Finanças para indicar a entidade a quem quer consignar 0,5% do IRS. Este IRS nunca será recebido pelo contribuinte, ou fica no Estado, ou é atribuído a uma entidade da lista de entidades habilitada (será divulgada em breve).

    Até 31 de março – solicite a inscrição como residente não habitual

    A AT informa que “Se reuniu as condições em 2022, solicite agora a inscrição como residente não habitual – RNH. Esta inscrição permite-lhe optar pela tributação pelo regime do RNH no IRS 2022 no momento da entrega da declaração de rendimentos que ocorre de 1 de abril a 30 de junho.”

    De 16 a 31 de março – Consulte as despesas dedutíveis e reclame as faturas/despesas gerais

    Este é o período de verificar se tudo ficou corretamente registado, incluindo as declarações que outras entidades (de educação, saúde, etc) têm a obrigação de declarar à AT e que têm impacto no IRS a pagar ou a deduzir.

    De 1 de abril a 30 de junho – Prazo de entrega do IRS 2023 (rendimentos de 2022)

    Este é o prazo para conferir o IRS Automático (se nada fizer será entregue no final do prazo), acelerar a entrega desse mesmo IRS Automático enviando-o imediatamente ou entregar a declaração modelo 3 de rendimentos sem usar o IRS Automático.

    Data para indicar o IBAN

    Para poder receber um eventual reembolso terá que informar a AT do seu IBAN. Poderá fazê-lo até à data de entrega do IRS. Atendendo aos apoios que foram dados em 2022, é provável que a larga maioria dos contribuintes tenham os IBAN atualizados junto das finanças. EM todo caso, deverá confirmar.

    Renegociar prestação pode limitar acesso a outros créditos.

    Vários clientes estão a recorrer e questionar junto do seu banco se é possível renegociar o crédito à habitação, para minimizar o impacto da subida rápida das Euribor. Ao abrigo da nova legislação, estão a ser avisadas de que essa renegociação será comunicada ao Banco de Portugal. Quem avançar com renegociações ao abrigo desta legislação, alertam os bancos, vai passar a ser considerado “cliente de risco” – não só por aquele banco mas por todos: e vai perder acesso a novos créditos ou terá de pagar juros mais pesados em futuros empréstimos.

    São muitas as soluções que os bancos apresentam para “baixar a prestação”. O prolongamento do prazo do crédito é uma delas. Ao pedir o alargamento do prazo o banco informar o Banco de Portugal que o crédito foi reestruturado/renegociado, o que naturalmente poderá ter influência em futuros pedidos de concessão de crédito nesta ou em outras instituições bancárias. Cada cliente deve ficar saber que um crédito reestruturado significa que passou a ser um cliente com potencial risco de incumprimento.

    São muitas as pessoas que nos têm contactado para renegociar os seus créditos. Reforçamos as nossas equipas para poder dar apoio e resposta a todos os que nos procuram.

    Se está a pensar renegociar o(s) seu(s) crédito(s) junto do seu banco, não o faça sem falar primeiro connosco.
    Estamos disponíveis nas nossas lojas DSI Crédito de Valença, Monção e Ponte de Lima.

    Estamos AQUI. Esperamos por si.

    Quanto vai aumentar a sua prestação do crédito habitação em 2023?

    Se tem um contrato de crédito habitação contratado a taxa variável, já deve ter notado um aumento na sua prestação mensal (para quem tem Euribor a 6M) ou vai notar muito em breve (para quem tem Euribor a 12M).

    Vamos analisar quanto vai aumentar a sua prestação do crédito habitação já em 2023. Para isso importa ter em conta os seguintes fatores:
    – O prazo da taxa Euribor do seu crédito: se é a 3, 6 ou 12 meses;
    – O capital em dívida que ainda tem;
    Spread contratado, do seu contrato;
    – O capital em dívida;
    – As prestações que ainda tem por liquidar (prazo);
    – E o valor da Euribor aplicado à revisão da sua prestação. Caso a revisão da sua taxa/prestação ocorra em fevereiro, é tida em conta a média da Euribor de dezembro e assim sucessivamente.

    Qual o impacto do aumento da Euribor em cada prazo?

    Vamos analisar um caso prático com uma taxa a 12, a 6 e a 3 meses.
    Consideramos como exemplo um crédito habitação com:
    – capital em dívida de 100.000,00 euros,
    – spread contratado de 1,20%,
    – prazo para terminar o contrato de 300 prestações.

    Este contrato terá a sua prestação revista em fevereiro 2023, significando assim têm por base a média mensal das taxas Euribor de referência apuradas para o mês de dezembro 2022.
    Considerando o exemplo acima descrito:
    – para Euribor a 12 meses a prestação a pagar em Fevereiro de 2023 sofrerá um aumento de 385,90 euros para 539,95 euros = um aumento de 154,05 euros na prestação mensal.
    – para Euribor a 6 meses a prestação a pagar em Fevereiro de 2023 sofrerá um aumento de 361,46 euros para 514,68 euros = um aumento de 153,22 euros euros na prestação mensal.
    – para Euribor a 3 meses a prestação a pagar em Fevereiro de 2023 sofrerá um aumento de 359,83 euros para 488,00 euros = um aumento de 128,17 euros na prestação mensal.

    E se conseguirmos renegociar o seu crédito habitação?

    Perante o cenário anteriormente apresentado e com uma renegociação do spread contratado para 0,90%:
    – para Euribor a 12 meses a prestação a pagar em Fevereiro de 2023 sofrerá um aumento de 385,90 euros para 523,32 euros = um aumento de 137,42 euros na prestação mensal.
    – para Euribor a 6 meses a prestação a pagar em Fevereiro de 2023 sofrerá um aumento de 361,46 euros para 498,48 euros = um aumento de 137,02 euros euros na prestação mensal.
    – para Euribor a 3 meses a prestação a pagar em Fevereiro de 2023 sofrerá um aumento de 359,83 euros para 472,29 euros = um aumento de 112,46 euros na prestação mensal.

    Gera uma poupança anual que pode chegar aos 200,00 euros acrescido ainda do que pode ser conseguido na redução dos produtos/seguros associados que na maioria dos casos pode significar uma redução mensal de 60%. Em termos práticos podemos assim dizer que a poupança anual pode ultrapassar os 500,00 euros, ascendendo os 12.500,00 euros no final do contrato.

    Consulte a média mensal da Euribor para saber qual a taxa a aplicar ao seu contrato. Não obstante desta informação que é mensalmente atualizada para que possa consultar e acompanhar a evolução das taxas, deve consultar um especialista na área que o vai aconselhar de como e o que fazer para renegociar as condições dos seus créditos.

    Euribor a três meses, que entrou a 14 de julho 2022 em terreno positivo pela primeira vez desde abril de 2015 e esteve negativa entre 21 de abril de 2015 e 13 de julho último (sete anos e dois meses). Para janeiro de 2023 fixa-se em 2,063%.
    Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo a 6 de junho 2022, sendo que esteve negativa durante seis anos e sete meses (entre 6 de novembro de 2015 e 3 de junho de 2022). Para janeiro de 2023 fixa-se em 2,560%.
    Já a Euribor a doze meses, está em terreno positivo desde 21 de abril 2022. Para janeiro de 2023 fixa-se em 3.018%.

    A OCDE prevê que as taxas de juro cheguem aos 4% 2023. A evolução das taxas de juro Euribor está intimamente ligada às subidas ou descidas das taxas de juro diretoras do BCE.

    As soluções passam por NÓS, a decisão passa por SI!
    Fale connosco:

    TOP 5% Melhores PME de Portugal

    De acordo com Carlos Gouveia, CEO da SCORING, “a proposta de valor com a certificação “Top 5% Melhores PME de Portugal” é muito clara: num mercado em que cada vez mais a conquista e manutenção de clientes está assente em pequenos detalhes diferenciadores, a afirmação da idoneidade e o reforço da reputação que esta certificação representa, gera confiança nos clientes, colaboradores e mercado em geral, com potencial para impactar positivamente as vendas e os resultados da empresa.”

    A avaliação das empresas é realizada, a partir da análise do IES (Informação Empresarial Simplificada), com base no método desenvolvido pela SCORING, validado cientificamente por docentes universitários doutorados em gestão e auditado anualmente pela Bureau Veritas, com as classificações depositadas na ASSOFT: um processo que assegura isenção e rigor nas certificações atribuídas.

    O nosso compromisso continuará a ser de entrega e profissionalismo na prestação de serviços de Intermediação de Crédito e prestação de serviços de consultoria relativamente a contratos de crédito. Prestamos um serviço de aconselhamento personalizado, independente e sem custos para o cliente, com vista a obter de forma eficaz as soluções mais ajustadas a cada família.

    2023 vai trazer alguns aumentos impulsionados pela inflação

    Já é de conhecimento comum, muito por força das notícias que vamos tendo e nosso dia-a-dia, que os aumentos são vários e significativos para muitas famílias.

    A eletricidade vai aumentar para quem está no mercado regulado, mas também para alguns clientes que passaram para o liberalizado, pressionada pelos preços do gás natural, usado para produzir eletricidade. O preço da eletricidade em mercado regulado aumenta 1,6% em janeiro de 2023.
    Já no mercado liberalizado, a EDP Comercial anunciou que vai aumentar em cerca de 3%. A Iberdrola informou que a fatura de eletricidade dos clientes vai descer, em média, 15% em 2023.
    Por sua vez, a Endesa prevê manter o valor global das faturas de eletricidade dos clientes em 2023.

    A Galp vai reduzir as faturas da eletricidade em cerca de 11%, em média, a partir do início de 2023. A fatura do gás natural vai aumentar, a partir de janeiro, cerca de 3% para os clientes mais representativos do mercado regulado.

    As portagens vão aumentar 4,9% a partir de janeiro, anunciou o ministro das Infraestruturas, considerando “equilibrada” a solução a que foi possível chegar.

    As rendas só poderão subir, a partir de janeiro, até 2%, depois de o Governo ter publicado uma lei nesse sentido, em Diário da República, em outubro, no âmbito das medidas de mitigação do impacto da subida dos preços. DL n.º 19/2022.

    A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) divulgou em outubro que a atualização dos tarifários dos transportes prevista era de 6,11%. Já os passes do tarifário Navegante e os bilhetes ocasionais da Carris Metropolitana vão manter em 2023 os preços que são praticados este ano. Nos bilhetes ocasionais haverá um aumento médio de 1% a partir de janeiro.

    A Altice Portugal, terá atualização dos preços a partir de fevereiro, mantendo-se inalterado para clientes que têm apenas voz fixa e os reformados com plano reformados. Desconhece-se ainda a posição das restantes operadoras sobre potenciais aumentos.

    A inflação disparou na Zona Euro, sobretudo devido ao aumento dos preços da energia e dos alimentos.

    As taxas de juro, segundo a OCDE podem chegar aos 4% já em 2023. Se tal se verificar, as prestações do crédito à habitação vão subir brutalmente, podendo as taxas Euribor vir a atingir o patamar de 5%, tal como já aconteceu no passado.

    O governador do Banco de Portugal, Mário Centeno, acredita que o pico da inflação será atingido até ao final do ano, prevendo-se que ainda em 2023 as taxas devem começar a descer.

    É HORA DE PLANEAR E POUPAR.

    Toda a poupança será necessária para fazer face aos restantes aumentos, e esses não há como controlar. Mas para os seus créditos pode existir uma melhor solução. Fale com um especialista e reveja todos os créditos, seguros e produtos associados.

    Temos a “peça” que falta no seu Orçamento Familiar.

    Temos a peça que falta para conseguir melhorar o seu orçamento familiar. Acreditamos que qualquer que seja o seu caso, poderemos ajudá-lo a reduzir os seus encargos e melhorar as condições dos seus créditos.

    O seu crédito habitação tem spread contratado superior a 1,00%?

    Sim, é possível negociar as condições do seu crédito junto do seu banco ou transferindo para outra instituição financeira.

    São centenas de casos de sucesso que já nos passaram pelas mãos. Centenas de pessoas a poupar milhares de euros com a transferência de crédito.
    FALE CONNOSCO!

    Vai comprar/construir a sua casa e não sabe qual a sua capacidade financeira/qual o valor máximo de financiamento que o banco pode aprovar?

    Nós tratamos de tudo por si!

    Iremos junto das várias entidades bancárias negociar e aprovar condições para o seu crédito. Com a certeza do montante máximo de financiamento e conhecimento de todas as despesas, comissões bancárias e impostos inerentes, irá toma a decisão mais acertada! OS NOSSOS SERVIÇOS SÃO TOTALMENTE GRATUITOS.
    FALE CONNOSCO!

    Tem vários crédito e quer pagar uma única prestação?

    Consolide os seus Créditos.

    Recorrer à consolidação de créditos permite juntar todas as prestações numa só = 1 só crédito.
    A consolidação de créditos pode reduzir as suas prestações mensais em até 60%.
    FALE CONNOSCO!

    A sua taxa de esforço não lhe permite recorrer a um crédito consolidado?

    Mapa de responsabilidades de crédito – Banco de Portugal

    Se o seu nome consta na chamada “lista negra” do banco de Portugal por algum incumprimento existente infelizmente não poderá recorrer a crédito. Contudo deve contactar as entidades onde exista incumprimento e tentar negociar e chegar a um acordo de pagamento. Ficará igualmente impedido de recorrer a crédito.

    Não deixe peças perdidas, não adie decisões, nem negue ajuda de um intermediário de crédito. Quanto mais rápido renegociar os seus créditos, mais facilmente aumentará a sua folga financeira. Estamos aqui para o ajudar a poupar.

    As soluções passam por nós a decisão passa por si!

    Dezembro é tempo de planear.

    Estamos a poucos dias para entrar em 2023 e achamos prudente que todos se preparem financeiramente. A subida das taxas de juro e aumento da inflação vão continuar a ter um peso gigante no orçamento de todas as famílias.

    Nesta altura do ano a correria desenfreada às lojas para a compra dos presentes de Natal ocupam muito tempo, e as famílias deixam “para depois” o planeamento do ano que se aproxima. É importante planear o ano antecipadamente protegendo assim a sua saúde financeira.

    Não se esqueça de definir objetivos, concretize os seus sonhos porque a vida deve ser muito mais que trabalhar para pagar a casa e o carro, etc

    Neste artigo deixamos algumas dicas de como se deve preparar para o novo ano.

    ENCARGOS FIXOS

    Reveja todos os encargos fixos com a Habitação, Automóvel, Seguros, Água, Eletricidade/Gás, Telecomunicações, Alimentação, Outros

    POUPANÇAS

    Embora possa parecer difícil é possível. Podemos poupar em vários momentos fazendo as escolhas certas. Vejamos os exemplos na simples tarefa de ir às compras:
    – Devemos optar por produtos de marca branca e analisar bem as promoções;
    – Devemos comprar apenas o estritamente necessário;
    – Não devemos fazer compras por impulso
    A poupança que conseguir obter por fazer escolhas acertadas, experimente colocar de parte, faça uma poupança.

    REFORÇO DE EMERGÊNCIA

    O fundo de emergência é um valor que deve colocar de parte para fazer face, como o próprio nome indica, a uma emergência. No caso de quebra de rendimentos conseguirá cumprir com os seus compromissos/ encargos mensais.

    AMORTIZAÇÃO/ LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA

    Sempre que possível devemos amortizar ou liquidar créditos dando mais folga ao orçamento familiar. Se existe crédito habitação e/ou outros créditos pessoais devemos identificar valores em dívida, a taxa de juro e respetiva prestação mensal e prazo contratado/remanescente.
    Se pretendemos liquidar devemos considera o que está mais perto de terminar. Contudo de a ideia é amortizar parcialmente devemos optar pelo crédito onde o impacto da subida das taxas de juros é maior, reduzindo assim a prestação mensal futura.

    USO MODERADO DE CARTÕES DE CRÉDITO

    Defina um objetivo para 2023: não gaste mais do que o seu rendimento mensal.
    Se não usar o seu cartão de crédito só beneficia o seu orçamento.

    SEGUROS

    Devemos rever os nossos seguros anualmente. Os seguros associados ao crédito habitação têm um peso grande no encargo mensal, reveja assim as condições contratuais e coberturas. Muitos dos clientes só na revisão de seguros poupam aproximadamente 60%.

    Se pretende renegociar os seus créditos consultem sempre um intermediário de crédito, que irá fazer todo o trabalho por si: falar com as instituições de crédito e procurar as melhores soluções para o seu caso de forma a obter a poupança desejada. Prepare desde já 2023 e comece a poupar para ter um anos mais tranquilo e feliz.

    Vamos poupar? Lançamos um desafio para 2023

    O Desafio 52 semanas é uma estratégia para poupar dinheiro todas as semanas, durante um ano, de forma simples e divertida. Vamos a jogo?
    Um ano tem 52 semanas e o objetivo é ir aumentando 1 € ao valor que poupa todas as semanas. Simples, vejamos:
    Na primeira semana começa colocar de parte 1 €, na seguinte aumenta para 2 € = O seu “peteiro” já soma 3 €.
    Na terceira passa para 3 € e soma já 6 € no seu “peteiro”
    E assim consecutivamente, até que na 52.ª e última semana do desafio, colocar de parte 52 € que somado ao que foi amealhando terá conseguido uma POUPANÇA DE 1 378 €

    Consulte aqui a tabela exemplificativa e siga o desafio.

    Desafio 52 semanas

    O Desafio 52 semanas é uma estratégia para poupar dinheiro todas as semanas, durante um ano, de forma simples e divertida. Vamos a jogo?
    Um ano tem 52 semanas e o objetivo é ir aumentando 1 € ao valor que poupa todas as semanas. Simples, vejamos:
    Na primeira semana começa colocar de parte 1 €, na seguinte aumenta para 2 € = O seu “peteiro” já soma 3 €.
    Na terceira passa para 3 € e soma já 6 € no seu “peteiro”
    E assim consecutivamente, até que na 52.ª e última semana do desafio, colocar de parte 52 € que somado ao que foi amealhando terá conseguido uma POUPANÇA DE 1 378 €

    SemanaValor
    a poupar
    Montante
    Total de Poupança
    SemanaValor
    a poupar
    Montante
    Total de Poupança
    11 €1€2727 €378€
    22 €1€2828 €406€
    33 €6€2929 €435€
    44 €10€3030 €465€
    55 €15€3131 €496€
    66 €21€3232 €528€
    77 €28€3333 €561€
    88 €36€3434 €595€
    99 €45€3535 €630€
    1010 €55€3636 €666€
    1111 €66€3737 €703€
    1212 €78€3838 €741€
    1313 €91€3939 €780€
    1414 €105€4040 €820€
    1515 €120€4141 €861€
    1616 €136€4242 €903€
    1717 €153€4343 €946€
    1818 €171€4444 €990€
    1919 €190€4545 €1 035€
    2020 €210€4646 €1 081€
    2121 €231€4747 €1 128€
    2222 €253€4848 €1 176€
    2323 €276€4949 €1 225€
    2424 €300€5050 €1 275€
    2525 €325€5151 €1 326€
    2626 €351€5252 €1 378€
    Sucessogentil Unipessoal Lda | Banco de Portugal
    Intermediário de Crédito Vinculado autorizado pelo Banco de Portugal com o n.º de registo 0004285